sábado, maio 24, 2008

o jovem cantador


Num mundo ao lado no nosso,

do outro lado dos nossos olhos,

havia a terra de um povo cansado.

Eles eram nómadas que percorriam um só caminho

sem regresso, sem descidas,

montanhas perdidas,

com um céu sem horizonte.


Este caminho de almas abandonadas,

que subiam em fila indiana,

no meio de uma terra para lá da Esperança,

era unicamente animado

pelo jovem Cantador.


Tinha ele o apreciado dom,

de ser único a conseguir descer,

a única conversa dos viajantes,

a única cara que viam de frente.


Certo dia, no meio da correria,

o jovem vigoroso Cantador,

no meio do entusiasmo de vidas novas,

tropeçou e caiu num buraco chamado Dor.


Os viajantes que por ele passavam,

e que o viam inerte e sofredor

largavam uma lágrima, uma palavra,

e uma tristeza por não conseguírem parar.

As pernas não os deixavam ajudar.


E o jovem cantador,

finalmente fechou os olhos,

enquanto foi subindo acima do buraco Dor.


Quando os olhos foram abertos

pela mão de uma princesa

o jovem prontamente disse

“Ondes estão os nomadas, realeza?

Eu preciso deles para cantar,

Eu preciso do seu sorriso quando me vêem,

Eu preciso de lhes mostrar a minha força,

Para os fazer subir com a garra que não têm”.


“A tua força já se foi”- disse a princesa,

“Há muito que tua voz é murmúrio,

Tu só eras jovem, meu amor,

No caminho tortuoso das almas perdidas.

A tua alma jovem é bela,

aguentou-te na realidade,

mas os teus noventa anos,

pequeno príncipe,

trouxeram-te para terra da imortalidade”

pic Sense-of-Silence

3 comentários:

LB disse...

Saudações para essa terra mágica. Eu passei dos melhores tempos da minha vida aí... L.B.

Anónimo disse...

17:53

Nogs disse...

:)

O teu brilho e coração doce de menino será sempre eterno, desde ontem até amanhã.


Beijos doces e alimenta-te dessas pequenas coisas lindas como os sorrisos honestos e quentes desse povo.

Beijo!